Ciclovias

Braga quer pôr ciclovias à porta de casa de 100 mil pessoas (Público, 26/05/2014)

O projecto da Câmara de Braga, a que o PÚBLICO teve acesso, apresenta um mapa em que, no máximo, será preciso percorrer 300 metros entre a casa de cada um dos habitantes servidos pela ciclovia e um troço da rede. “É a distância que se estima que um ciclista esteja disposto a percorrer a pé e que corresponde a cerca de cinco minutos”, explica o vereador do Urbanismo, Miguel Bandeira.

No plano, está previsto um grande corredor ciclável em torno de Braga, entre o sopé do Bom Jesus e a zona industrial de Ferreiros. Deste modo, será possível cobrir o eixo central da cidade – entre a estação ferroviária e o campus da Universidade do Minho – e incluir o centro histórico e as principais zonas habitacionais. A proposta prevê também uma ligação para fora da zona urbana, em direcção a Norte, ligando ao vale do Cávado, para o qual a Comunidade Intermunicipal prepara também a criação de um corredor verde.

 

Reforço da mobilidade urbana de Braga transfigura a malha da cidade (Correio do Minho, 14/12/2016)

Uma das primeiras intervenções, que está em fase final de conclusão do projecto, é a remodelação significativa de toda a ciclovia da Variante da Encosta.
O presidente da Câmara revelou que a intervenção vai além da mera requalificação do piso e inclui o reperfilamento da via.

O vereador do Urbano e da Mobilidade, Miguel Bandeira, revelu que, nesta matéria, o município tem trabalhado em articulação com várias entidades, entre elas a Universidade do Minho que, através do projecto ‘Ubike’ vai introduzir no tráfego da cidade mais 40 velocípedes. Miguel Bandeira acredita que “vai alterar o modo de circular em Braga” que espera seja contagiante.

Ao todo são seis milhões de euros que vão ser canalizados para a mobilidade urbana, prevendo-se intervenções em várias vias que deverão estar executadas até meados do próximo ano, antecipa o vereador responsável pelo pelouro. Um dos eixos de intervenção é a ligação do campus de Gualtar da Universidade do Minho ao centro da cidade e estação de caminhos-de-ferro, mas estão previstas também intervenções na Rodovia e na Variante da Meia Encosta, a par de eixos meridianos como a Avenida 31 de Janeiro e a Av. da Liberdade que estão em fase de projecto.