Caster Semenya: a filha de todas as discriminações

Nos últimos dias o caso de Caster Semenya, campeã olímpica de 800 metros, tem inundado a imprensa internacional e as redes sociais com comentários menos simpáticos e menos informados sobre o assunto. A atleta sofre de hiperandrogenismo, isto é, um aumento dos níveis de testosterona fisiologicamente produzidos pelo seu organismo. Tal condição resulta, potencialmente, num benefício competitivo comparativamente com a média das atletas que competem nas provas femininas (mas não nas provas masculinas).

Esta situação de putativo benefício tem provocado uma vergonhosa perseguição à atleta sul africana. No momento em que celebrava a vitória as colegas, na fotografia, negaram-lhe o abraço, e os jornalistas questionavam-na se a prova feminina era o local onde deveria estar a competir. Caster, desgastada, respondeu bem: “Deviam querer saber como me estou a sentir depois de ser campeã olímpica“.

Já todos percebemos que a fisionomia (e, provavelmente, a genética) de Michael Phelps lhe confere uma vantagem competitiva que não é alcançável por nenhum outro atleta mundial. Por muito que treinem e por muita estratégia que desenvolvam não há, no momento atual, atletas capazes de o alcançarem. Então, porque é que toda a gente se concentra no caso de Caster Semenya? Para além da antipatia das colegas, a atleta sul africana tem sido vítima de todas as discriminações: é mulher num país machista; tem pele negra num mundo dominado pelas pessoas de pele branca; e tem algumas características “masculinas” num mundo que divide os géneros a preto e branco.

Num artigo recentemente publicado no JAMA (Journal of the American Medical Association), três médicos americanos relembram uma série de factos relevantes acerca do hiperandrogenismo: em primeiro que não é líquido que exista vantagem competitiva uma vez  que outras atletas com idêntica condição nunca chegaram ao topo; e, em segundo, que outras alterações genéticas que constituem hipotética vantagem competitiva também são admitidas na provas mundiais.

“it has become evident that the hyperandrogenism policies are no more salutary than earlier attempts to define sharp sex boundaries. In that respect, much more must be done to adequately inform all stakeholders—participating athletes, sports officials, team physicians, the media, fans, and the public at large—regarding the complexity and fluidity of factors that contribute to competitive success as well as to sex or gender identity. One of the fundamental recommendations published almost 25 years ago4 that athletes born with a disorder of sex development and raised as females be allowed to compete as women remains appropriate.” [Genel et al., 2016, JAMA]

Caster Semenya nasceu mulher e sempre viveu como mulher. Depois da devassa que a imprensa fez da sua vida, do seu sangue e da sua genética ficámos a saber que tem uma condição congénita que resulta em hiperandrogenismo. Independentemente dos benefícios e dos prejuízos que a situação acarreta, Caster Semenya é assim. Quando corre, Caster Semenya está a competir com aquilo que é. Se não fosse autorizada a competir na prova feminina iria competir onde?

Anúncios

2 pensamentos sobre “Caster Semenya: a filha de todas as discriminações

  1. Continuamos a viver numa sociedade em que quem está fora da norma é excluído/a. A norma pode ter-se alargado para incluir pessoas que estavam fora dela, mas continua a existir e será sempre uma luta contínua de alguns para serem aceites como pessoas de pleno direito, só porque fogem à norma presente. A atitude das atletas a rejeitar o abraço de Semenya faz lembrar as cenas dos infantários em que os meninos rejeitam o patinho feio da turma. Só que as senhoras em questão são adultas (ou deveriam sê-lo), pelo que não têm desculpa…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s